Patrinando

Jovem, não se leve muito a sério, relaxe

20 de outubro de 2020

Confesso que desde que começou a pandemia, estou nostálgica ouvindo músicas da minha adolescência ou de shows que foram incríveis. Sim, ainda sou jovem, mas estou na metade do caminho dos 20 até os 30 anos. Até comentei isso na live que fiz com a cantora GEO pelo Jornal 140. E aí notei como me segurava para não gostar de muita coisa que eu secretamente gostava para não ser encarada como boba.

Continue Reading

Dois Quartos

Documentários sobre o Universo: um sentimento libertador

23 de setembro de 2020

 

Se tem uma coisa que eu fiz na quarentena (e estou fazendo porque ainda não acabou meudeusdocéuatéquando?) foi consumir uma diversidade de conteúdos. Entre eles, documentários. Mais especificamente, documentários sobre o Universo, o Cosmos e os astros. Por mais estranho que possa parecer, assistir – e aprender – sobre galáxias, estrelas anãs, buracos negros e a imensidão disso tudo, coloca as coisas em perspectiva. E isso traz, de certa forma, um sentimento libertador.

Continue Reading

Patrinando

KIRBY: novos dilemas amorosos atemporais

22 de setembro de 2020

Quem me lê aqui sabe que gosto bastante de black music, seja antiga ou moderna. Por isso, a recomendação de hoje é a cantora e compositora norte-americana KIRBY. Por enquanto, ela só tem um álbum, lançado neste ano, “Sis.”.  Não confunda ter só um álbum com inexperiência: KIRBY já colaborou compondo com artistas como Ariana Grande, Beyoncé e Demi Lovato.

Continue Reading

Patrinando

A música que você ouve tem diversidade?

4 de agosto de 2020

Sim, sei que já abordei diversidade na produção de conteúdo nesta coluna. Este é um assunto que não sai da pauta das redes sociais e da grande mídia por ser extremamente necessário e atual. Por isso, continuarei escrevendo sobre até deixar de ser indispensável. Após os protestos no mundo inteiro sobre #VidasNegrasImportam, tradução de #BlackLivesMatter, os holofotes se voltaram para as pautas raciais. As pessoas consumiram ativamente (ou fingiram) conteúdos de pessoas negras nas redes sociais por uma semana. Mas e depois? O que realmente ficou?

Continue Reading

Patrinando

Santana Lopez, minha amiga lésbica na adolescência

15 de julho de 2020

Hoje, tenho 25 anos e sou bissexual assumida. Meus pais me apoiam e sabem, amigos também. Vivo como bem entendo. Porém, fui uma adolescente enrustida, que vivia escondida no armário e não agia como queria. Isso tinha vários motivos: eu fazia parte de uma religião fundamentalista cristã e não entendia completamente minha bissexualidade. Uma das minhas primeiras referências lésbicas foi a personagem Santana Lopez, a líder de torcida latina de Glee, interpretada por Naya Rivera, que infelizmente, faleceu nesta semana por causa de um afogamento acidental no Lago Piru, na Califórnia. Então este texto será uma pequena homenagem e um relato de como foi minha relação com a personagem.

Continue Reading

Patrinando

Queen e a masculinidade frágil do roqueiro

30 de junho de 2020

Apesar de gostar muito de algumas bandas de rock, não me considero roqueira. Ouço muito mais outros gêneros musicais. Mesmo assim, minha banda favorita é Queen. Tenho algumas blusas da banda e do Freddie Mercury e sempre uso por aí. Sempre que alguém me vê com camiseta com o brasão da banda, há duas reações comuns: falam a música favorita ou começam a se justificar por gostar da banda. Mas por qual motivo homens cis héteros precisam se justificar pra curtir o som de uma das melhores bandas de todos os tempos?

Continue Reading

Patrinando

Qual álbum ou música é o seu conforto auditivo?

16 de junho de 2020

Quem me segue no Twitter, já notou que gosto de fazer correntes do tipo ”poste 4 fotos de álbuns que curte”. Numa dessas brincadeiras, fiz uma sobre ”comfort album”, ou seja, álbuns preferidos para ouvir quando precisa de um alívio ou conforto. Meus álbuns costumam variar um pouco conforme os anos passam. Geralmente sempre há um do Queen, Bowie e Nina Simone. Atualmente, qualquer álbum do Franz Ferdinand entra nessa lista. Agora que estamos de quarentena, sempre lembro o quão incrível foi o show da banda. Fazia 15 graus em São Paulo e saí pingando de suor de tanto pular e gritar. Alex Kapranos sabe dominar muito bem uma plateia. Continue Reading