Popcorn

Para todos os garotos que já amei: como não amar?

18 de agosto de 2018

Gênero: Drama, romance;
Ano: 2018;
Roteiro: Sofia Alvarez;
Direção: Susan Johnson;
Sinopse: Lara Jean é uma garota atrapalhada e ingênua, mas muito forte. Romântica, ela escreve cartas para os garotos por quem se apaixonou. Mas tem um detalhe: nunca as envia. Até que um dia essas cartas são misteriosamente enviadas aos respectivos destinatários, e a vida amorosa da garota toma outro rumo. (Filmow)

O filme que estreou essa semana na Netflix, Para todos os garotos que já amei, é a adaptação do livro de mesmo nome, da autora Jenny Han. Essa é a primeira parte de uma trama dividida em três livros e, provavelmente, também terão mais dois filmes. Mas, para quem ainda não leu o livro e quer saber se o filme é uma boa aposta, aqui estou! A trama acompanha Lara Jean. Uma adolescente meiga, mas que não tem o menor afinidade com interações pessoais. Logo, ela só nutre amizade com uma menina e com suas duas irmãs. Aliás, Lara Jean é bem família, só que sente muita falta da mãe que faleceu quando ela ainda era criança. Ela é super dramática e fantasiosa. Quando se apaixona, escreve uma carta para o boy, na tentativa de enterrar aquele amor. Ao todo, escreveu 5 cartas e as guarda bem escondidas, para que nunca sejam enviadas. 

Amei cada detalhe!

Só tem um problema: em um determinado momento, suas cartas desaparecem e os meninos começam a vir questioná-la sobre o assunto. Para piorar, uma das cartas é para o ex-namorado de sua irmã mais velha. Desesperada para não ter que se explicar, Lara Jean simula um relacionamento com seu crush da sétima série: Peter. Portanto, como é de se esperar, a coisa toda vira uma bagunça só. A premissa é bem boba mesmo, clichê adolescente. Mas, é bem gostosinha de acompanhar. Principalmente por todo o amadurecimento que a personagem precisa passar. Sua irmã mais velha, Margot, que sempre tomou conta de tudo como se fosse a mãe, foi embora para fazer faculdade bem longe da família. Isso faz com que Lara Jean precise assumir o papel e o controle da própria vida.

Como já li os três livros da trilogia, sei que o crescimento dela é bastante notório. Em breve, terá um post comparando a adaptação, então vou deixar para falar sobre isso mais para frente, ok? Quanto ao filme em si, eu sou só amor. Amei a escolha de todos os atores. Achei que terem escalado o ator Noah Centineo para o papel de Peter deu uma suavizada legal no personagem. No livro ele é todo atleta e confiante demais. Então, sempre imaginei ele com aqueles caras loiros, musculosos e padrãozinhos. Mas o Noah deixou o personagem mais cativante. E, acho que nem preciso falar que amei demais a atriz Lana Condor, que interpreta a Lara Jean. Ela captou exatamente a personagem. Tudo! Os trejeitos, as mudanças de feição, a forma meio atrapalhada de ser. Não tem nada nela que não tenha ficado perfeito. 

Se esse é o seu estilo de filme, você vai amar! 

A produção caprichou demais nos cenários, principalmente no quarto dela. É exatamente o que a gente espera do quarto da Lara Jean. A trilha sonora é igualmente maravilhosa e os figurinos estão impecáveis. Por mais que ela faça o papel de romântica bobinha, seu estilo tem muita personalidade e com certeza terá post sobre no Ctrl C Look. Enfim, a composição inteira ficou maravilhosa e viciante. A gente termina o filme querendo ver de novo e de novo. O  roteiro ficou fiel ao livro, apesar de eu ter sentido falta de aprofundarem alguns aspectos que falarei no post na Da página ao play. Mas, sei que em um filme não tem espaço suficiente para encher de detalhes. Então, ia gostar muito mais se fosse uma série! Só que eu já estou muito muito feliz de essa obra tão querida ter ganho vida. 

No mais, é isso. Se esse é o seu estilo de filme, sem dúvida alguma você vai amar. E, se não é, pode clicar aqui e procurar outras indicações que são mais do seu agrado, ok?! Tem filme para todos os gostos. 

You Might Also Like

1 Comment

  • Reply 6 romances adolescentes fofos para ver na Netflix | Ré Menor 5 de setembro de 2018 at 21:30

    […] Para ler a resenha, clique aqui. […]

  • Comente aqui: