Favoritando

Dia do escritor: 6 livros de autores brasileiros

25 de julho de 2018

Escrever é uma arte. E só quem escreve sabe o trabalho que dá. A gente digita, digita, digita. Lê. Não gosta de nada. Apaga. Digita, digita e digita outra vez. Mas de nada adianta, por que apagamos outra vez. Dessa maneira, palavras aparecem e somem da tela, até que a gente desista de ler o que escreveu e toque o barco sem fazer uma última avaliação. Escrever é uma arte. Poucas palavras, quando bem escolhidas, podem te levar para mundos que você desconhece. Assim como palavras ditas da maneira errada podem abrir feridas que jamais vão cicatrizar. Portanto, escrever é uma arte.

Pensando em todos as grandes obras, feitas por diversos escritores incríveis, nós escolhemos enaltecer os brasileiros. Por muitos motivos. Primeiramente, existe muito escritor talentoso no nosso país. Que, verdade seja dita, nem sempre recebem o mérito necessário. Sem contar todos os jornalistas que, com uma pitada de literatura, transformam um caso real em obra de arte. Afinal, meus caros, escrever é uma arte. Escolhemos 6 livros de autores brasileiros que vão te fazer rir, chorar e até te transportar para lugares que você nunca imaginou estar. Esperamos que gostem!

O nome da morte – Klester Cavalcanti

Sinopse: Depois de matar, Júlio Santana reza dez ave-marias e vinte pai-nossos para pedir perdão. Tem medo de acabar no inferno. Sem ideologia, Júlio Santana mata por ofício. Uma profissão que aprendeu em família, com seu tio Cícero, que lhe passou um trabalho aos 17 anos. Depois de 35 anos de ofício, contabiliza quase 500 vítimas registradas num caderninho com a capa do Pato Donald. Sem compaixão ou ódio, Klester Cavalcanti faz o matador respirar e nos assombrar com sua frieza. Pela primeira vez, um pistoleiro mostra seu rosto e conta sua vida. Mais do que a denúncia da impunidade e o desnudamento das engrenagens da viciada máquina Brasil, O Nome da Morte quer chacoalhar o país, acordá-lo desse triste sonho que ele insiste em viver como se fosse a realidade. Júlio Santana existe e dorme tranqüilo. (Skoob)

Por que ler: Esse livro é sensacional, sério. Vale cada segundo de leitura. Klester narra a história como se tivesse vivido todos esses anos ao lado de Júlio Santana. De fato, nos leva a viajar acompanhados de um pistoleiro brasileiro, responsável pela morte de quase 500 pessoas. O livro é bem real e eu ainda consegui achar alguns jornais que provam um trecho que cita uma cidade do interior de Rondônia, Pimenta Bueno. O que deixou a leitura ainda melhor. Além disso, em breve a história estará nas telonas, em um filme de mesmo nome. Portanto, não percam a oportunidade de saber mais sobre o Júlio.  

Fazendo meu filme – Paula Pimenta

Sinopse: Fazendo meu filme é um livro encantador, daqueles que lemos compulsivamente e, quando terminamos, sentimos saudade. Não há como não se envolver com Fani, suas descobertas e seus anseios, típicos da adolescência. Uma história bem-humorada e divertida que conquista o leitor a cada página. Seja a relação com a família, consigo mesma e com o mundo; seja a convivência com as amigas, na escola e nas festas; seja a relação com seu melhor amigo e confidente. Tudo muda na vida de Estefânia quando surge a oportunidade de fazer um intercâmbio e morar um ano em outro país. As reveladoras conversas por telefone ou MSN e os constantes bilhetinhos durante a aula passam a ter outro assunto: a viagem que se aproxima. 

É sobre isto que trata este livro: o fascinante universo de uma menina cheia de expectativas, que vive a dúvida entre continuar sua rotina, com seus amigos, familiares, estudos e seu inesperado novo amor, ou se aventurar em outro país e mergulhar num mundo cheio de novas possibilidades. As melhores cenas da vida de Fani podem ainda estar por vir. (Skoob)

Por que ler: Thalita Rebouças abriu caminho para várias escritoras de livros juvenis. Paula Pimenta é uma delas. Portando, se você adora esse gênero de livro e filmes bem “sessão da tarde”, compre essa coleção. E, por mais que já tenha passado um pouco da idade do público-alvo dela, amei o livro e super recomendo. 

Crônicas – diversos autores

Sinopse: Numa seleção de cronistas, teríamos craques pendurados até o lustre, diria Nelson Rodrigues. Prova disso são as 42 crônicas desta antologia, que reúne o melhor do gênero que, em pouco mais de cem anos, ascendeu à categoria de arte maior, sem perder a graça e a leveza. Falando de futebol, de um bicho de estimação ou de uma cena de infância, de uma conversa de bar, de amor, da paisagem na janela e até mesmo de uma canja de galinha tomada no hospital, o cronista trata o leitor como um amigo ou confidente. (Skoob)

Por que ler: Esse é o primeiro livro que eu indico para quem quer conhecer um pouco dos autores que marcaram época no nosso país. Por se tratar de crônicas, são textos curtos, cômicos e que tratam do cotidiano. Portanto, é bem fácil se identificar com a maioria deles e se divertir com a leitura. 

Todo dia a mesma noite – Daniela Arbex

Sinopse: Reportagem definitiva sobre a tragédia que abateu a cidade de Santa Maria em 2013 relembra e homenageia os 242 mortos no incêndio da Boate Kiss. Daniela Arbex reafirma seu lugar como uma das jornalistas mais relevantes do país, veterana em reportagens de fôlego – premiada por duas vezes com o prêmio Jabuti – ao reconstituir de maneira sensível e inédita os eventos da madrugada de 27 de janeiro de 2013, quando a cidade de Santa Maria perdeu de uma só vez 242 vidas.

Foram necessárias centenas de horas dos depoimentos de sobreviventes, familiares das vítimas, equipes de resgate e profissionais da área da saúde – ouvidos pela primeira vez neste livro -, para sentir e entender a verdadeira dimensão de uma tragédia sobre a qual já se pensava saber quase tudo. (…) A leitura de “Todo dia a mesma noite” é uma dolorosa e necessária tomada de consciência, um despertar de empatia pelos jovens que tiveram seus futuros barbaramente arrancados. Enxergá-los vividamente no livro é um exercício que afasta qualquer apaziguamento que possamos sentir em relação ao crime, ainda impune. (Skoob)

Por que ler: Esse é um dos meus livros favoritos. O caso da Boate Kiss é muito pesado e, querendo ou não, a leitura tinha tudo para ser muito densa. Mas, a Daniela Arbex escreve como ninguém e tornou tudo muito fácil de ser lido. Apesar de o nosso coração doer durante todas as páginas, é um relato necessário e muito bem construído. Portanto, se você gosta de ler sobre casos reais, leia Todo dia a mesma noite. 

Suicidas – Raphael Montes

Sinopse: Um porão, nove jovens e uma Magnum 608. O que poderia ter levado universitários da elite carioca – e aparentemente sem problemas – a participarem de uma roleta-russa? Um ano depois do trágico evento, que terminou de forma violenta e bizarramente misteriosa, uma nova pista, até então mantida em segredo pela polícia, ilumina o nebuloso caso. Sob o comando da delegada Diana Guimarães, as mães desses jovens são reunidas para tentar entender o que realmente aconteceu, e os motivos que levaram seus filhos a cometerem suicídio. Por meio da leitura das anotações feitas por um dos suicidas durante o fatídico episódio, as mães são submersas no turbilhão de momentos que culminaram na morte dos seus filhos. A reunião se dá em clima de tensão absoluta, verdades são ditas sem a falsa piedade das máscaras sociais e, sorrateiramente, algo muito maior começa a se revelar. (Skoob)

Por que ler: Quando pensamos em investigação policial, raramente pensamos em um autor brasileiro como referência. Raphael Montes nos surpreende a cada livro, por isso indico que comece a se aventurar em suas obras pela primeira: Suicidas. É o tipo de livro que te amarra até o final e tem uma construção incrível. Principalmente, se considerarmos que o Raphael Montes escreveu esse livro antes de chegar aos 20 anos de idade.

Como ter uma vida normal sendo louca – Jana Rosa e Camila Fremder

Sinopse: Em Como ter uma vida normal sendo louca: a autoajuda definitiva para todas as mulheres, de todas as idades e em todas as situações, Camila Fremder e Jana Rosa presenteiam as leitoras com dicas sobre as mais diversas situações do dia a dia, desde como se livrar de pessoas chatas em aviões, parecer intelectual, mesmo sem ser, até como dizer a um amigo que ele fede. Além disso, ainda ensina como se comportar na festa do encontro da turma da escola depois de muitos anos passados da formatura. O livro é interessante da primeira à última página e apresenta uma visão muito bem-humorada de situações que poderiam constranger qualquer pessoa. O prefácio é de Gloria Kalil. (Skoob)

Por que ler: Acho que o principal motivo é conhecer jovens escritoras talentosas. Camila e Jana criaram um livro engraçadíssimo, que saí completamente do comum. É um livro jovem, carregado de ironia e, de quebra, algumas reflexões necessárias sobre o comportamento dessa atual geração. 

Aqui no blog tem resenha de diversos livros de autores brasileiros ou não. Basta clicar aqui para escolher o que mais te interessa, ok? <3

You Might Also Like

No Comments

Comente aqui: