Da página ao play

Gossip Girl: Um sucesso nas páginas e na televisão

23 de janeiro de 2018

Lançado em 2002, o livro “As Delícias da Fofoca” de Cecily von Ziegesar trazia um mundo recheado de drama adolescente e segredos escandalosos, mas acima de tudo adicionava uma dose de riqueza aos livros do gênero. Nada mais rico do que adolescentes mimados vivendo em Nova York, certo? Errado! Acima dos livros, temos a série que chegou para superar todas as expectativas dos leitores.

Cecily von Ziegesar é uma excelente escritora do seu gênero literário, é isso que você precisa saber antes de ler essa comparação. As palavras que ela escreve tem um poder absurdo de prender o leitor da primeira até a última página. Talvez sejam os capítulos curtos, a linguagem direta ou a alta quantidade de reviravoltas escondidas nas páginas. Todos os seus personagens possuem personalidades muito bem estabelecidas e você vai logo ligar nome ao atributo mais marcante, acredite.

Em um mundo comandado por herança sanguínea e contas de banco, vale a pena ter um amigo.

Gossip Girl

Esse sucesso absurdo não poderia resultar em outra coisa: uma série de TV. Lançada em 2007, Gossip Girl trouxe o lado visual de uma maneira arrebatadora. Ver personagens tão queridos na tela foi um tiro certeiro da parte da produção, ainda mais com escolhas fieis ao imaginários dos leitores e descrição da autora. Temos uma ou duas variantes, que fazem diferença sim. Um exemplo disso é a Vanessa que nos livros tem a cabeça raspada e uma atitude bem mais rebelde perante seus colegas. Enquanto na série encontramos uma atriz caracterizada de maneira totalmente diferente, talvez para não impactar tanto o público? Nunca iremos saber!

Acredito que Gossip Girl, em si, é uma fórmula de sucesso. São treze livros lançados e seis temporadas na televisão com um público fiel. Além dos livros iniciais, temos mais dez volumes que acompanham a vida de Jenny Humphrey em um novo internato. Ou seja, não há maneira alguma de negar que Cecily von Ziegesar acertou em cheio e conquistou milhares de fãs ao redor do mundo todo.

Agora, a pergunta que não quer calar é: Gossip Girl é a mesma pessoa na série e nos livros? Isso, eu não vou entregar. Vou deixar vocês curiosos para ver o desenvolvimento original e o adaptado para a série. Um enredo que seguiu alguns caminhos diferentes do literário, mas que pode ser considerado muito sensato em suas escolhas para a televisão. Os personagens, o figurino impecável e o cenário são feitos para atrair o público. E funciona com perfeição. Leiam, assistam e tirem suas próprias conclusões, porque não importa o que aconteça… Todos sabem que amamos Gossip Girl!

You Might Also Like

1 Comment

  • Reply Sophia Amoruso: o estilo da fundadora da Nasty Gal | Ré Menor 10 de maio de 2018 at 17:59

    […] Girlboss é uma série americana, criada pela Netflix, baseada na história de Sophia Amoruso, criadora da Nasty Gal e um dos nomes mais respeitados da moda. Porém a série tem faz uma releitura bem “livre”. Na trama, conhecemos o início da Nasty Gal. Portanto, conhecemos uma Sophia meio ferrada na vida. Após perder o emprego e receber um aviso de que será despejada em breve, Sophia acaba encontrando em um brechó uma jaqueta valiosíssima. Após compra-la por um valor irrisório, ela revende no ebay por uma fortuna e começa seu novo empreendimento. Sophia Amoruso se encaixa perfeitamente no termo usado para denominar a série, Girlboss. E a trama vende muito bem esse empoderamento. Apesar dela ter começado de um jeito que não lhe orgulha muito, Sophia nos faz entender o que é uma pessoa determinada. […]

  • Comente aqui: