Da página ao play

A barraca do beijo: o filme suavizou os problemas do livro

20 de novembro de 2018
A trama

Há alguns meses você deve ter ouvido ou lido comentários sobre um filme adolescente da Netflix. A barraca do beijo é um livro, adaptado pela Netflix, com o mesmo nome. Nos dois casos, a trama é basicamente a mesma. Elle e Lee são melhores amigos desde o inicio da vida. E fazem, praticamente, tudo juntos. A intimidade (no livro pelo menos) é tão grande, que eles trocam de roupa um na frente do outro sem problema nenhum. No filme, a trama é um pouco mais elaborada e eles tem uma lista de promessas para cumprirem enquanto forem amigos. Dentre os itens da lista, Lee especificou que é terminantemente proibido namorar parentes de seu melhor amigo. O que, sendo um pouco mais clara, quer dizer que Elle não poderia namorar seu irmão, Noah. 

Acontece que Noah é só o cara mais gato que já pisou na escola e todas tem crush nele. Incluindo Elle, mesmo que ela negue. Mas, além disso, Noah parece agir como um irmão mais velho e super protetor. Afastando todos os garotos de perto dela. Com um evento beneficente chegando, Elle e Lee decidem montar uma barraca do beijo. No livro, eles fazem parte do grêmio e, no filme, do clube de dança. Por isso precisam montar algo para arrecadar dinheiro no evento. A barraca do beijo faz o maior sucesso e, nesse meio tempo, Elle acaba dando seu primeiro beijo. Com Noah. E aí tudo pode piorar. 

A barraca do beijo: o livro

Eu queria que o livro não tivesse tantos problemas de construção. Sério. Primeiro por que a personagem passa o livro inteiro dizendo o quanto o Noah é gostoso. E os primeiros capítulos são basicamente: nossa, como o Noah é gostoso, mas eu não tenho uma queda por ele. Além disso, a descrição das cenas e ambientes são muito vazias. Parece que não da elementos suficientes para que você consiga formar a cena na sua cabeça. Os personagens parecem tão rasos e não há elo familiar (como no filme). Elle, por exemplo, só vê o pai quando ela está entrando e saindo da casa dela. E olhe lá. Também tem o fator de que no livro, não somos bem contextualizados sobre os personagens. Nem sabemos por onde anda a mãe da Elle em boa parte do livro.

No filme não. Há uma construção da relação entre Elle e Lee. E também sabemos desde o inicio o que houve com sua mãe e tudo mais. Mas, o que mais me incomodou foi o Noah do livro. Ele é completamente maluco e possessivo. E fiquei angustiada o tempo todo. Por que, por mais que ela se imponha quase sempre e diga que vai usar o que quiser. Soa bastante como um relacionamento abusivo sendo romantizado. Em certos momentos, o cara nem era namorado dela ainda e já tinha uns surtos. Como se ela fosse uma especie de propriedade, sabe? E aí ele tem os surtos e fica se justificando como “aí é por que eu gosto demais de você”. Me. Poupe. Meu radar de relacionamento abusivo apitou MUITO e eu não acho que seja o tipo de livro que presta um serviço para as jovens garotas que vão lê-lo.

O filme é melhor, mas também tem seus problemas

O machismo e o abuso de poder de Noah não são tão fortes no filme. Acontece sim, em determinados momentos, mas assim que ela se impõe, ele acata. E não pisa mais na bola. Só isso já fez a história ficar infinitamente mais leve e se transformar em um romance melhor. Mas, o roteirista aprofundou os personagens. Deu a Elle e a Lee uma construção de personalidade, uma paixão em comum e um real motivo para Lee ficar bravo. Aliás, Lee é o único personagem que é melhor no livro. Na verdade, nem tinha motivo para terem escondido o relacionamento dele. Já que ele sempre perguntava para ela se queria ou não ficar com o irmão dele. E, o máximo que disse foi: acho que vai ser esquisito. Não é, exatamente, como se ele fosse ficar puto, igual no filme. No livro ele é mais gentil, mais parceiro da Elle e mais divertido também. 

Mas, também tiveram momentos que eles passaram pano para abuso, viu? Um garoto da um tapa na bunda de Elle e depois convida ela para sair. E ela aceita! No livro, ela recusa o convite, indignada com a cara de pau do cara. Quanto aos principais momentos da trama, são parecidos, mas mudaram bastante no filme. A cena do primeiro beijo entre eles, por exemplo, é bem mais fofa no filme. No livro ela não está vendada, então sabe que está beijando Noah desde o inicio. E Lee não faz uma cena por causa disso! Enfim, algumas coisas foram melhores no livro sim. Mas, no geral, o filme é infinitamente melhor e bem mais fofo. Portanto, o recomendo bem mais!

You Might Also Like

No Comments

Comente aqui: