Favoritando

Para seguir: 5 sites feministas que fazem a diferença

13 de setembro de 2017

Sites feministas

Feminismo está em alta, mas existe desde o século XIX. Além disso, o movimento ainda gera muito burburinho. Quem sabe, de fato, o que é ser feminista?

Feminismo é um movimento social e político. Que tem como objetivo principal, conquistar direitos iguais entre homens e mulheres.  Não é o contrario de machismo, ao contrario do que muitos pensam. É uma busca diária, pelo reconhecimento da mulher enquanto pessoa. Para que ela seja ouvida e tenha os mesmos direitos que um homem tem. 

Com o crescimento desse movimento, várias ONGs feministas criaram sites de notícias voltados para a temática. São sites focados em mulheres. Sites que, surpreendendo à todos, não falam de moda. Nem de maquiagem ou dieta. Existem diversos sites feministas maravilhosos, que nos ensinam mais sobre a temática. Que abrem nossos olhos para vários problemas que mulheres de outras regiões estão passando. Que nos fazem criar empatia pelas mais diversas causas. São conteúdos que nos fazem perceber que não estamos sozinhas, que não somos as únicas a passar por certas coisas e que juntas somos muito mais fortes. 

Então, segue a lista de 5 sites feministas incríveis para você seguir: 

Think Olga:

A OLGA é uma ONG feminista criada em abril de 2013. Nosso objetivo é criar conteúdo que reflita a complexidade das mulheres e as trate com a seriedade que pessoas capazes de definir os rumos do mundo merecem. Nossa missão é empoderar mulheres por meio da informação e retratar as ações delas em locais onde a voz dominante não acredita existir nenhuma mulher. Nossa luta é para que as mulheres possam ter mais escolhas, nunca menos, e também garantir que elas façam suas escolhas de maneira informada e consentida, sem que tenham que pedir desculpas por tais decisões.” (Saiba mais)

Revista AzMina:

“A Revista AzMina é uma publicação online e gratuita para mulheres de A a Z. Nela, há jornalismo investigativo acessível, de qualidade e sem rabo preso com anunciantes. Somos uma equipe diversa apaixonada por este projeto e dedicada a usar o jornalismo e a educação para ajudar a melhorar o mundo, principalmente para nós, mulheres!” (Saiba mais)

Lugar de Mulher:

“Cansamos de sites de mulher com dicas de como secar a barriga, como se vestir pra agradar homem, como decorar sua casa com itens caríssimos, como ser poderosa em 12 lições. Cansamos de ver “moda” que não cabe na maioria de nós enfiada goela abaixo. Cansamos de gente decidindo que mulher só pode se interessar por determinados assuntos – e as que se interessam por outros então gostam de “coisa de homem”. Cansamos e resolvemos criar esse sitezinho, um site para mulheres que também cansaram das velhas fórmulas, dos velhos conceitos e das velhas cagações de regra de como uma mulher deve ser, se portar, falar, existir. Lugar de Mulher é onde ela quiser.” (Saiba mais)

Não me Kahlo:

“Somos um grupo de mulheres que resolveram formar um Coletivo Feminista. Nosso intuito é agregar pessoas com interesse em aprofundar os estudos sobre o feminismo, compartilhar ideias, histórias e também promover ações que busquem a luta por direitos das mulheres e a efetivação dos direitos já conquistados. Primeiramente, criamos uma página no Facebook. (…) Resolvemos expandir ainda mais nossas ações com a criação deste blog, na esperança de poder influenciar mulheres a aprender mais sobre o feminismo e também a compartilhar suas histórias. Estamos muito satisfeitas com nossas conquistas: nosso site tem mais de 100 mil visualizações!” (Saiba mais)

Geledés:

“GELEDÉS Instituto da Mulher Negra fundada em 30 de abril de 1988. É uma organização da sociedade civil que se posiciona em defesa de mulheres e negros por entender que esses dois segmentos sociais padecem de desvantagens e discriminações no acesso às oportunidades sociais em função do racismo e do sexismo vigentes na sociedade brasileira. Posiciona-se também contra todas as demais formas de discriminação que limitam a realização da plena cidadania, tais como: a lesbofobia, a homofobia, os preconceitos regionais, de credo, opinião e de classe social.” (Saiba mais)

 

E aí, já conhecia algum desses? Qual o seu preferido? Faltou algum nessa lista? Conta aí nos comentários!

 

You Might Also Like

No Comments

Comente aqui: