Favoritando

#Favoritando: Os melhores lidos do primeiro semestre

14 de julho de 2013
Sinopse: A Seleção começou com 35 garotas. Agora restam apenas seis, e a competição para ganhar o coração do príncipe Maxon está acirrada como nunca. Só uma se casará com o príncipe Maxon e será coroada princesa de Illéa. Quanto mais America se aproxima da coroa, mais se sente confusa. Os momentos que passa com Maxon parecem um conto de fadas. Quando ela está com Maxon, é arrebatada por esse novo romance de tirar o fôlego, e não consegue se imaginar com mais ninguém. Mas sempre que vê seu ex-namorado Aspen no palácio, trabalhando como guarda e se esforçando para protegê-la, ela sente que é nele que está o seu conforto, dominada pelas memórias da vida que eles planejavam ter juntos. America precisa de mais tempo. Mas, enquanto ela está às voltas com o seu futuro, perdida em sua indecisão, o resto da Elite sabe exatamente o que quer — e ela está prestes a perder sua chance de escolher. E justo quando America tem certeza de que fez sua escolha, uma perda devastadora faz com que suas dúvidas retornem. E enquanto ela está se esforçando para decidir seu futuro, rebeldes violentos, determinados a derrubar a monarquia, estão se fortalecendo — e seus planos podem destruir as chances de qualquer final feliz.
Motivos que gostei:  É o segundo livro da coleção “A Seleção”. Gostei muito por que a história (que já é otima no primeiro livro) amadureceu muito nesse segundo. Deu um ritmo novo e nada clichê pros personagens. Mais cenas impactantes, de doer o coração.
Resenha: A elite.
Sinopse: A culpa é das estrelas narra o romance de dois adolescentes que se conhecem (e se apaixonam) em um Grupo de Apoio para Crianças com Câncer: Hazel, uma jovem de dezesseis anos que sobrevive graças a uma droga revolucionária que detém a metástase em seus pulmões, e Augustus Waters, de dezessete, ex-jogador de basquete que perdeu a perna para o osteosarcoma. Como Hazel, Gus é inteligente, tem ótimo senso de humor e gosta de brincar com os clichês do mundo do câncer – a principal arma dos dois para enfrentar a doença que lentamente drena a vida das pessoas. Inspirador, corajoso, irreverente e brutal, A culpa é das estrelas é a obra mais ambiciosa e emocionante de John Green, sobre a alegria e a tragédia que é viver e amar.
Motivos que gostei: Mesmo tratando de um assunto delicado, como o câncer, é um livro leve. O autor trata tudo com uma naturalidade e simplicidade absurda. Me fez chorar em muitos momentos.
Resenha: A culpa é das estrelas.
Sinopse:  A vida de Audrey Cuttler não tem sido a mesma desde que aquela música chegou ao topo das paradas. Ela só queria ir a shows, andar com seus amigos e, talvez, arrumar um encontro com o gatinho do trabalho, mas agora Audrey é… famosa! Não famosa do tipo coisas-grátis-e-crachás-para-o-camarim. Famosa do tipo paparazzi-escondido-nos-arbustos, o pior-momento-da-sua-vida-estampada-por-toda-a-primeira-página. Tudo por causa da música que o ex – namorado fez sobre o rompimento dos dois – o hit do momento, quer dizer, um desastre! Audrey não quer ser a garota dos refletores, mas uma vez que o mundo decide que ela é uma estrela, será que a sua vida algum dia vai ser normal de novo? Prepare – se para descobrir, porque está na hora da Audrey contar o seu lado da história.
Motivos que gostei: O livro todo é muito divertido, super engraçado. A personagem é tão comum como qualquer outra adolescente, diferente das outras leituras que tem ultimamente, cheia de vampiros e bruxos. Fora as constantes menções de músicas legais. Amei!
Resenha: A música que mudou a minha vida.
Sinopse: Numa seleção de cronistas, teríamos craques pendurados até o lustre, diria Nelson Rodrigues. Prova disso são as 42 crônicas desta antologia, que reúne o melhor do gênero que, em pouco mais de cem anos, ascendeu à categoria de arte maior, sem perder a graça e a leveza. Falando de futebol, de um bicho de estimação ou de uma cena de infância, de uma conversa de bar, de amor, da paisagem na janela e até mesmo de uma canja de galinha tomada no hospital, o cronista trata o leitor como um amigo ou confidente. Não é de estranhar, portanto que ao terminar este livro nos venha a sensação de ter batido um papo com Machado de Assis, tomado uma cerveja com Lima Barreto ou passado uma tarde ao lado de Carlos Drummond de Andrade, Antônio Maria ou Clarice Lispector. Depois de Boa companhia: Contos e Boa companhia: Poesia, este é o terceiro volume de uma coleção que apresenta autores de destaque, de todas as épocas, em diversos gêneros da escrita, com o objetivo de demonstrar que o prazer da leitura é sempre uma boa companhia.
Motivos que gostei: Não sou muito acostumada a ler livros brasileiros. Mas ganhei esse de presente e me arrependi de já não ter lido mais. Gostei muito por ter 42 crônicas de 42 autores diferentes. Consegui conhecer um pouco de cada um. É um “tour” pelos autores brasileiro.
Resenha: Boa Companhia – Crônicas.
Sinopse: Em um conto de fadas moderno, nós conhecemos Penelope, uma jovem de 25 anos que passou a vida inteira presa em sua própria casa, vítima de uma antiga maldição. Para se livrar do focinho de porco que cresce no lugar do seu nariz, ela precisa encontrar alguém que a ame mesmo com esse “pequeno” problema.
Motivos que gostei: É um livro muito suave, diferente e até encantador. Meio “menininha” demais, mas ainda assim, é lindo.
Resenha: Penélope.
xoxo, reader girl.

You Might Also Like

No Comments

Comente aqui: