Li, Gostei, Resenhei

Li, gostei, resenhei: Lonely Hearts Club.

16 de janeiro de 2013

Livro: Lonely Hearts Club, Porque ninguém precisa de namorado para ser feliz;
Autora: Elizabeth Eulberg;
Editora: Intríseca;
Páginas: 238 páginas;
Sinopse: Penny Lane Bloom cansou de tentar, cansou de ser magoada e decidiu: homens são o inimigo. Exceto, claro, os únicos quatro caras que nunca decepcionam uma garota — John, Paul, George e Ringo. E foi justamente nos Beatles que ela encontrou uma resposta à altura de sua indignação: Penny é fundadora e única afiliada do Lonely Hearts Club — o lugar certo para uma mulher que não precisa de namorados idiotas para ser feliz. Lá, ela sempre estará em primeiro lugar, e eles não são nem um pouco bem-vindos. O clube, é claro, vira o centro das atenções na escola McKinley. Penny, ao que tudo indica, não é a única aluna farta de ver as amigas mudarem completamente (quase sempre, para pior) só para agradar aos namorados, e de constatar que eles, na verdade, não estão nem aí. Agora, todas querem fazer parte do Lonely Hearts Club, e Penny é idolatrada por dezenas de meninas que não querem enxergar um namorado nem a quilômetros de distância. Jamais. Seja quem for. Mas será, realmente, que nenhum carinha vale a pena? “Leitura imperdível para qualquer pessoa que já esteve apaixonada… ou que jurou nunca mais fazer isso de novo.” Stephenie Meyer, autora de Crepúsculo.

                                                                         

    Adolescência é um período traumático para a maioria de nós, amores não correspondidos, amigas falsas, ser abandonada por uma amiga que começou a namorar, caras cretinos, pais nos envergonhando. E por mais clichê que esse tema seja, Elizabeth Eulberg soube retratar esses momentos de uma forma divertida e adorável. Não consegui desgrudar do livro e li em dois dias. Lonely Hearts Club retrata um ano escolar de Penny Lane, uma garota que após ser traída por seu amor de infância desiste de namorar até o final do ensino médio e cria o club e começa a recrutar amigas com esse objetivo. Mas por quanto tempo essa regra vai durar? O que mais fazemos na adolescência é nos apaixonar. Uma grande amizade nasce e elas se unem mais pela companhia do que para evitar garotos. O livro faz grande referencia a banda The Beatles, afinal, Penny tem esse nome por seus pais serem grandes fãs da banda e ela acaba herdando o fanatismo pelos quatro caras, como o próprio livro diz, “que nunca decepcionaram uma garota – John, Paul, George e Ringo. ” Cada momento importante tem uma citação de uma das músicas. O que torna ainda mais divertido. O que poderia ser um enorme drama juvenil, torna-se uma comédia romântica sem aqueles amores dramáticos e sim possível de arrancar muitos sorrisos e gargalhadas.
~Le Blanc.

 

You Might Also Like

No Comments

Comente aqui: