Li, Gostei, Resenhei

Deixe a neve cair – John Green, Maureen Johnson e Lauren Myracle

11 de abril de 2016

Deixe a neve cair

Livro: Deixe a neve cair;
Autor: John Green, Maureen Johnson e Lauren Myracle;
Editora: Rocco;
Páginas: 336;
Sinopse: Na noite de natal, uma inesperada tempestade de neve transforma uma pequena cidade num inusitado refúgio romântico, do tipo que se vê apenas em filmes. Bem, mais ou menos. Porque ficar presa à noite dentro de um trem retido pela nevasca no meio do nada, apostar corrida com os amigos no frio congelante até a lanchonete mais próxima ou lidar sozinha com a tristeza da perda do namorado ideal não seriam momentos considerados românticos para quem espera encontrar o verdadeiro amor. Mas os autores best-seller John Green, Maureen Johnson e Lauren Myracle revelam a surpreendente magia do Natal nestes três hilários e encantadores contos de amor, interligados, com direto a romances, aventuras e beijos de tirar o fôlego. (Skoob)

Dividido em 3 contos, um de cada autor, Deixe a neve cair não me pegou de primeira. Cheguei a começar o livro 3 vezes. A capa não me chamava a atenção, não conhecia as outras autoras e, assim como a maioria dos leitores, dei uma chance por que tinha algo do John Green. Apesar da capa meio sem gracinha, a parte gráfica interna compensa muito! É todo cheio de flocos de neve no interior das capas, nas páginas, nos começos dos contos. Uma gracinha e super delicado, combinando com a temática do livro. 

Os contos acontecem na cidade fictícia Gracetown, baseada em Asheville, na Carolina do Norte. Nessa cidade também foram gravadas várias cenas do filme Jogos Vorazes. As três histórias tem uma pegada mais de comédia romântica da sessão da tarde. Com aqueles milagres de natal, deixando a gente com aquele ar de reflexão e renovação das esperanças. Sentimentos comuns para essa época do ano. Os três contos estão interligados. Elementos e personagens de um conto aparecem no outro. 

O Expresso Jubileu

O livro começa com O Expresso Jubileu, escrito pela escritora Maureen Johnson, e é de longe o meu conto preferido. A narradora e personagem principal é Jubileu, uma personagem bem real. Daquelas que poderia ser minha amiga ou sua. Aliás, todos os personagens do livro são bem parecidos com pessoas que convivemos no dia-a-dia. Jule, como prefere ser chamada, mora na Virgínia e seus pais são completamente obcecados pelas peças da Cidade do Papai Noel Flobie. Essas peças foram baseadas na Vila Natalina dos Dickens que a mãe da Maureen tem.

Jule tinha planejado passar o natal com o namorado. Após ocorrer um imprevisto com os pais, ela tem que viajar de trem às pressas para a Flórida, aonde seus avós moram. O rumo do natal de Jule muda mais uma vez após o trem ficar preso por causa da tempestade de neve.   

O Milagre da Torcida do Natal

Em seguida conhecemos o trio Tobir, JP e Duke (a única menina do grupo), em O Milagre da Torcida do Natal, escrito pelo John. Tobir, nosso narrador, aproveitou que os pais ficaram presos em um aeroporto, por conta da nevasca, e organizou uma maratona de filmes do James Bond, com seus melhores amigos.

Até receber um telefonema de Keun, um amigo que trabalha em uma Waffle House. Keun diz que eles precisam correr até a lanchonete, por que catorze líderes de torcida invadiram a Waffle House. A maior parte da história acontece na corrida até o local, já que eles estão tentando chegar antes de outro grupo de garotos. A história é engraçadinha e sobre meninos inteligentes, como em todas as histórias do John Green.

O Santo Padroeiro dos Porcos

Por último temos o conto da Lauren Myracle, O Santo Padroeiro dos Porcos. Narrado por Addie, que tem duas melhores amigas, Dorrie e Tegan. Addie está vivendo o drama pós fim de namoro. É uma personagem bem chatinha, egoísta e que só pensa nos próprios dramas. O que faz Dorrie alertá-la sobre seu drama excessivo e egoísmo fora do normal. Addie pira e resolve provar que a amiga está errada, fazendo um favor para sua outra amiga, Tegan. Apesar de ser o conto com as lições mais fortes, foi o que eu menos gostei. A personagem é tão egoísta que me tirou do sério. 

Pelo que eu li na entrevista que a Rocco publicou, os autores trocaram muitas ideias e informações um com o outro, o que ficou visível pela perfeita sintonia do livro. Apesar de ser uma gracinha e super recomendável para se dar de presente ou ter na prateleira, não é o tipo de livro que muda a vida de alguém. E nem é o tipo que vai ficar no top 3 da lista de favoritos da maioria dos leitores. Creio que nem era essa a proposta dos autores.

Deixe a neve cair é super indicado quando queremos uma leitura mais leve, algo mais reflexivo, com várias lições sobre a vida. Com personagens reais e, claro, para relaxar entre uma maratona literária e a próxima. 

You Might Also Like

No Comments

Comente aqui: